quinta-feira, 5 de julho de 2018

Campanha “Julho Verde” promove I Simpósio Multidisciplinar de Cabeça e Pescoço nesta quinta-feira

A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), presidida pelo Dr. Luis Eduardo Barbalho, está em campanha pela luta contra o câncer de cabeça e pescoço em vários estados brasileiros, conhecida por Julho Verde. Em Natal, nesta quinta-feira (05) acontece o I Simpósio Multidisciplinar de Cabeça e Pescoço no auditório do Centro Avançado de Oncologia – CECAN, localizado na LIGA, das 8h às 15h.

Promovido pelo Julho Verde, o Simpósio é voltado para médicos, fonoaudiólogos, odontólogos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, nutricionistas e demais profissionais da área da saúde. O evento visa discutir e difundir pesquisas e tratamentos relacionados ao tipo de câncer em questão.

Além do simpósio, no decorrer do mês de julho haverá ações informativas à população sobre os sintomas do câncer de cabeça e pescoço, além de conscientização referente ao diagnóstico precoce.  Um dos principais problemas para o tratamento é o diagnóstico tardio, que ocorre em 60% dos casos, deixando sequelas no paciente. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), são detectados mais de 20 mil novos casos por ano.

Sobre o câncer de cabeça e pescoço
Segundo levantamento do Inca, o câncer de boca, laringe e demais sítios é hoje o segundo mais frequente entre os homens, atrás somente do câncer de próstata. Nas mulheres, prepondera o câncer da tireoide, sendo o quinto mais comum entre elas. Outro alvo também atinge fumantes e pessoas que fazem uso frequente de bebidas alcoólicas. Porém é cada vez mais frequente o diagnóstico da doença em indivíduos jovens (menores que 45 anos), sem a exposição a estes fatores, com tumores originados pelo HPV. Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe (onde é formada a voz), esôfago, tireoide e seios paranasais.

A infecção pelo papilomavírus (HPV) tem contribuído, nos últimos anos, com o aumento na incidência desta doença, segundo a SBCCP. “A infecção pelo HPV é um importante fator de desenvolvimento do câncer de faringe. Uma das formas de contágio por essa infecção é por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais”, explica o cirurgião de cabeça e pescoço Dr. Luis Eduardo, presidente da SBCCP.

G7 Comunicação