terça-feira, 29 de maio de 2018

A construção da capela do Alto São Sebastião



Em 1936, Manoel Medeiros concluiu a construção da capela[1] de São Sebastião à esquerda do rio Jacu, na área que hoje é conhecida pelo nome de Alto São Sebastião.
Segundo algumas pessoas, Manoel Medeiros tinha duas finalidades: primeiro, que sua família fosse sepultada nessa capela, seguindo assim, a tradição portuguesa e dos antigos donos de fazenda. Segundo, que a cidade fosse desenvolvida próxima a ela. Dessa forma, nos períodos das grandes enchentes o acesso ao núcleo de moradores de Japi não seria interrompido pelas águas do rio Jacu e também facilitava o acesso à Santa Cruz.
Porém, João Confessor pretendia que a cidade se desenvolvesse do lado de cá. Com isso, percebe-se evidentemente que havia uma disputa ideológica entre os dois líderes do então, no que diz respeito à construção da cidade.

 Os dois eram pessoas inteligentes e tinham características em comum: a busca incansável pela prosperidade econômica. Manoel Medeiros focalizava mais a cultura tradicional dos grandes latifundiários, fundamentada na produção de algodão e na criação de rebanho bovino. João Confessor visava aspectos mais modernos e voltava-se mais para o comércio de produtos alimentícios, produtos de uso caseiros e de trabalho no campo. Todavia foi o que mais aprendeu na escola dos tropeiros.

Acredito que um dos fatores que contribuiu para que João Confessor abandonasse essa localidade foi o fim da passagem dos tropeiros por aqui. Eles contribuíam muito para o comércio de João. Aliás, como já foi citado antes, João Confessor outrora havia sido tropeiro. E, por isso havia certo elo entre ele e os tropeiros. Talvez tenha sido por isso, que no início ele preferiu vir para o pé do monte. Pois, ficava perto da via que trafegavam os tropeiros.                            
                 
Quando João Confessor chegou ao povoado, por volta de 1905, foi residir próximo ao lugar onde hoje está a capela de São Sebastião. Mas, logo percebeu que a área ideal para desenvolver seu comércio e a cidade era do outro lado do rio. Pois, era lá que passavam todos os dias, tropas de matutos com muitas mercadorias e, nessa área já existia um bom número de casas de taipa de pessoas do povoado e tendia a crescer mais.

Essas e outras Histórias sobre a nossa cidade você encontra no Livro: JAPI TERRA QUERIDA, EM FATOS E FOTOS.

O livro encontra-se a venda nos seguintes endereços:
Livraria Felix, Rua Manoel Medeiros;
Residência do Autor, Rua Manoel Medeiros, Nº59; Telefone: 98754-3576
Blog Japi em Foco, Rua Clara Nunes, 75;
Blog Joabson Silva, Madrinha Salvina;
Em Santa Cruz, você irá encontrar:
 Na livraria Educativa, na Praça Coronel Mergelino, centro.