segunda-feira, 9 de abril de 2018

JAPI: História da grande seca de 1877



(Foto: Ilustrativa/ Internet)

Sabe-se que a seca de 1877 causou a morte de muita gente e o desaparecimento de todos os rebanhos, em quase toda a região do Nordeste. Inclusive em Japi/RN e em Lagoa Cavada/PB, por causa da seca, as pessoas procuravam ossos e couros de animais mortos, e quando encontravam levavam para suas casas, para o preparo de refeições. Também procuravam xiquexique[1], batata de maniçoba e de umbuzeiro e de outras árvores que servissem de alimentos para assegurar a sobrevivência.

Segundo João Pedra, no final do século XIX, por volta de 1895, bem próximo da fazenda de Pedro Tolentino, existia um fazendeiro conhecido pelo nome de Zezinho da Ubaia. As terras de sua fazenda começavam nos Picotes e uma parte delas ia até o Brandão. Ele era conhecido como um homem de má conduta. Era ignorante e de atitudes estranhas. Dizem que ele era parente dos proprietários que exterminaram os índios que viviam no Boqueirão.

Pedro Tolentino, que era contemporâneo dele, tendo suas terras fazendo fronteiras com as dele, alertava sempre aos seus vaqueiros que tivessem muito cuidado com os animais, para que eles não passassem para as bandas da propriedade de Zezinho da Ubaia. E se, por acaso, algum animal passasse, não fossem atrás, porque era muito difícil voltar, pois existiam espias nas fronteiras prontos para denunciar a presença dos animais invasores, que eram pegos e ferrados pelos capangas de Zezinho. E se alguém tentasse ultrapassar a fronteira para as bandas da fazenda dele, poderia ser morto por lá mesmo.

Até os dias de hoje, existe um pé de umbu lá no Brandão, que provavelmente venha a ser a árvore que Zezinho usava para marcar a quantidade de animais que ele apreendia, quando esses animais saíam das propriedades de origens e entravam na dele. Possivelmente, esse senhor não tinha livro nem lápis para anotações; usava essa forma rudimentar, marcando os animais com um ferro e em seguida registrando-os no tronco do umbuzeiro[2], para contabilizar seu rebanho e também o número de animais capturados. Essa prática de registros em árvores, pedras ou paredes era a forma mais adequada naquela época, especificamente quando o fazendeiro era analfabeto.

Essa e outras muitas Histórias sobre o nosso Município você encontra no livro Japi Terra Querida, em fatos e fotos, escrito pelo professor Edson Batista.

O livro encontra-se a venda nos seguintes endereços:

Livraria Felix, Rua Manoel Medeiros;
Residência do Autor, Rua Manoel Medeiros, Nº59; Telefone: 98754-3576
Blog Japi em Foco, Rua Clara Nunes, 75;
Blog Joabson Silva, Madrinha Salvina;
Em Santa Cruz, você irá encontrar:
 Na livraria Educativa, na Praça Coronel Mergelino, centro.