sexta-feira, 16 de junho de 2017

A derrota com sabor de vitória na “batalha” de Wilma

wilma heitor
A professora Wilma de Maria de Faria fez história na política potiguar. No retorno às eleições diretas para prefeito, em 1985, José Agripino lançou como candidata do seu grupo sua secretária de Trabalho e Ação Social. Seu principal adversário era Garibaldi Alves Filho que, pertencendo a um grupo político que apoiara o golpe civil-militar de 1964, com o tempo desloca-se para a oposição e passa a defender reformas políticas e sociais.
Apesar de representar um partido conservador, de sustentação ao regime militar, a atuação na área social empresta a Wilma um perfil progressista. PCB e PC do B, principais forças de esquerda no momento, cerram fileiras com Garibaldi. A disputa tem ares de confronto histórico entre as forças contra e pró-regime de exceção. Vence a oposição. Mas a derrota continha certo sabor de vitória.
Wilma recebeu um bom número de votos, para quem nunca havia sido candidata. Saiu fortalecida por ter demonstrado combatividade, pois Garibaldi era tido como imbatível, o candidato dos pobres e dos funcionários públicos. Para valorizar sua desenvoltura como secretária, o slogan da campanha foi “ela sabe administrar”. Sua imagem adquiriu substância e relevo no imaginário popular a partir desta eleição. Destacamos aqui o primeiro elemento determinante, embora paradoxal, na construção da carreira política e da imagem pública da então Wilma Maia: a derrota para Garibaldi em 1985.
A guerreira e suas lutas