domingo, 3 de abril de 2016

A explosão H1N1: A perigosa gripe chega antes do previsto ao País

GRIPE-1-IE.jpg
Neste ano, o H1N1 chegou mais cedo ao Brasil, castigando especialmente São Paulo. Tido como um mal do frio, até o fim do verão de 2016 ele já havia matado no País 28% a mais do que em todo o ano passado. Entre os paulistas a situação foi pior: quase três vezes mais fatalidades e 700% mais casos no mesmo período. Desta vez, a gripe veio antes provavelmente por dois motivos. Primeiro, porque pessoas contaminadas no hemisfério norte (onde é inverno) trouxeram a infecção, que se alastrou. Segundo, porque o número de vacinações em 2015 ficou abaixo do esperado, resultando em mais pessoas suscetíveis à doença. Mas pesquisadores conjecturam que até o fenômeno climático El Niño possa ter alguma culpa nessa história. “É uma surpresa enorme quando uma doença comum na época de frio começa tão precocemente”, diz o infectologista Marcos Boulos, professor da Universidade de São Paulo e coordenador de Controle de Doenças do estado.


O que mais tem preocupado é o grande número de mortes decorrentes do H1N1 este ano. Elas estão diretamente relacionadas ao aumento de casos, mas há outros fatores. A gripe é perigosa quando causa nos pacientes insuficiências respiratórias graves, que podem ser fatais. Normalmente, as maiores vítimas são idosos, diabéticos e cardiopatas. Ainda que esses grupos continuem sob risco, cerca de 50% das mortes em 2016 se deu entre adultos na faixa etária de 40 a 60 anos, parcela que normalmente está mais isenta e não é alvo costumeiro das campanhas de vacinação. “O H1N1 parece ser mais agressivo do que outros subtipos virais, com maiores possibilidades de provocar infecções graves” afirma o infectologista Francisco Ivanildo de Oliveira Júnior, supervisor médico do ambulatório do Hospital Emílio Ribas, de São Paulo.

O H1N1 também é um vírus democrático, que faz vítimas em todas as classes sociais. Além de Tom Cavalcante, outro famoso infectado foi o apresentador Marcelo Rezende, da Record, que escreveu numa rede social que “a dor no corpo é como se você brigasse com o Mike Tyson no dia em que ele está zangado”. O apresentador está recebendo medicamentos e ficará em recuperação num hospital de ponta por pelo menos uma semana, mas a maioria dos doentes enfrenta muito mais dificuldades. Com aumento de 50% de procura devido ao surto gripal, o Hospital Municipal São Luiz Gonzaga, na zona norte da capital paulista, foi alvo de uma confusão generalizada entre pacientes e médicos na noite da terça-feira 29. Os funcionários até construíram uma barreira de cadeiras na entrada do pronto-socorro pediátrico para evitar a entrada de pais desesperados, que esperavam até dez horas pela consulta. Ali, a mãe de uma criança doente só teve o filho atendido após chamar a Polícia Militar.
Em várias outras unidades de saúde pública de São Paulo, principalmente na periferia, faltam médicos.
A crise é de tais proporções que nem algumas das mais prestigiadas clínicas paulistanas têm dado conta de atender a todos. Nas unidades do Hospital Albert Einstein do Ibirapuera e do Morumbi (SP), por exemplo, a espera pela aplicação da vacina supera duas horas – e os estoques semanais recebidos pelo hospital podem acabar “a qualquer momento”. Na clínica Cedipi, localizada nos Jardins, um dos endereços mais caros da cidade, a versão quadrivalente, que protege contra o H1N1 e mais três tipos de gripe, estava esgotada na quinta-feira 31 e as linhas telefônicas congestionadas devido ao aumento nas buscas. Muitos lugares simplesmente não possuíam mais o medicamento disponível, e alguns deles escalaram funcionários para avisar os clientes, ainda na rua, sobre a escassez. Contaminadas com H1N1 no fim de março, a empresária Rosemeire Rizzo, 50 anos, e sua filha, a publicitária Renata, 26, foram diagnosticadas no Einstein.

Com recomendação de repouso absoluto, foram comprar o medicamento Tamiflu, prescrito para esse tipo de gripe, nas farmácias do bairro nobre de Alphaville, na Grande São Paulo, mas não encontraram o remédio em nenhuma delas. “Acabou por conta da alta procura”, afirma Rosemeire.

Para debelar a crise, o governo federal enviou lotes de vacinas de H1N1 de 2015 para o noroeste paulista, região mais afetada do País. Além disso, a Secretaria de Saúde de São Paulo antecipou a distribuição do lote de 2016 para os principais grupos de risco. De acordo com o Ministério da Saúde, porém, um adiantamento em escala nacional está fora de questão. Como a “receita” do medicamento muda anualmente, a pasta admite que não possui capacidade de produção e condição logística para mudar a data marcada para o começo da campanha, 30 de abril.

ISTOÉ


Via: Blog do BG