domingo, 13 de março de 2016

Sob temor de conflitos, grupos anti-PT tentam hoje fazer maior ato da história

Por IG
Imagem da Avenida Paulista no maior dos protestos contra Dilma, em 15 de março de 2015
Em meio ao aumento da tensão entre lados politicamente antagônicos no País, consequência das mais recentes ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, grupos que pedem o impeachment de Dilma Rousseff vão às ruas para fazer o que esperam ser o maior protesto em território nacional da história, neste domingo (13), em ao menos 415 cidades de todos os Estados do País.
Ao contrário das manifestações de dezembro – que contaram com adesão bem abaixo do esperado, dando certo alento ao governo federal –, os atos deste domingo têm expectativa de enorme público. Só na página do evento do protesto da Avenida Paulista, o maior entre os centenas que ocorrerão, mais de seis milhões de pessoas aparecem como convidadas, número amplamente superior ao de manifestações anteriores, incluindo a de 15 de março, quando 2 milhões foram às ruas em todo o País, segundo a Polícia Militar – 1 milhão, de acordo com o Instituto Datafolha.
Lideranças de todos os partidos da oposição passaram a semana convocando a população para os atos. Mais discreto tucano em relação ao assunto até o momento, o governador paulista, Geraldo Alckmin, confirmou que fará sua estreia nas manifestações contra o PT – e ao lado do presidente do PSDB, o senador Aécio Neves, rival dentro do partido na disputa pela vaga para concorrer nas próximas eleições presidenciais. Dezenas de parlamentares da legenda e de seus aliados também anunciaram presença nas ruas.
Além de ser a primeira vez em 2016 que os movimentos anti-Dilma fazem grandes manifestações, é também a primeira vez que os atos contra o PT são tratados com alerta real para risco de violência pelas Polícias Militares de diversas partes do País. A preocupação é de que haja conflito entre grupos pró e contra Dilma.
Ao longo da última semana, com o surgimento de novas suspeitas de crimes contra Lula, o temor de violência se tornou o discurso da vez. Foi assim, por exemplo, em São Paulo, com Alckmin afirmando que não permitiria manifestações de grupos antagônicos no mesmo local, e no Planalto, com a presidente Dilma reiterando ao menos em três discursos sua preocupação com a possibilidade de confrontos.
Os organizadores dos protestos amenizam a possibilidade de violência. “Acho difícil ter conflito. O artigo 5º da Constituição garante que qualquer pessoa é livre para se manifestar desde que não haja manifestação contrária no mesmo lugar. Então, assim como foram os protestos do ano passado, teremos o espaço livre para levantar as nossas bandeiras e confiamos nas autoridades para garantir a segurança de todos”, diz Rogerio Chequer, líder do Vem Pra Rua. “Se conseguirmos levar um milhão de pessoas às ruas em todo o Brasil, o que acreditamos que acontecerá, já vai ser um sinal bem claro de que o Brasil quer o impeachment.”
Tensão nas ruas 
A situação de tensão entre grupos favoráveis e contrários à queda de Dilma vem se intensificando há cerca de um mês, após período de relativa calmaria como consequência do recesso parlamentar, que paralisou o Congresso Nacional e a possibilidade de se discutir o processo de impeachment.


Blog do BG: http://blogdobg.com.br/#ixzz42mQumb9C