sábado, 19 de março de 2016

Dilma: ‘quem grampear presidente sem ordem do Supremo é preso lá fora’

O Globo
No seu primeiro evento público desde o agravamento da crise que atinge seu governo, a presidente Dilma Rousseff fez um discurso duro contra o juiz federal Sérgio Moro, em Feira de Santana (BA), onde entregou moradias do Minha Casa Minha Vida. Dilma afirmou que juiz que faz “grampo” em presidente no exterior vai para a cadeia. Ela rebateu também a comparação que Moro fez da atual situação como a do ex-presidente americano Richard Nixon, que renunciou ao cargo. Acusou ainda o juiz paranaense, sem citar seu nome, de ter ferido a Lei de Segurança Nacional.
Dilma Rousseff (Foto: Eraldo Peres)
— Quero falar do fato grave que aconteceu. A dona Marisa, mulher do presidente, estava doente e ele não ia voltar para a cerimônia de posse. Aí, liguei (para Lula) e disse: ‘tô mandando aí no aeroporto para pegar sua assinatura para a gente usar se você não puder voltar para a cerimônia de posse amanhã. Pois bem. Essa conversa apareceu gravada, grampeada. E aí é um fato grave. E vou explicar para vocês. Esse grampo na Presidência da República, ou com qualquer um de vocês, não é algo lícito. É ilícito. E é previsto como crime na legislação. Não é por ser eu, Dilma, é por eu ser presidenta. O dia que deixar de ser, isso vale para mim. Mas presidente do Brasil, e de qualquer país democrático do mundo, tem garantias constitucionais. Ele não pode ser grampeado, a não ser com autorização expressa da Suprema Corte do país. E em muitos lugares do mundo quem grampear um presidente vai preso, se não tiver autorização judicial da Suprema Corte. Vou dar um exemplo. Se grampeiam o presidente da República os Estados Unidos, veja o que acontece com quem grampear. É por isso que eu vou tomar todas as providências cabíveis — disse Dilma.