sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Forças Armadas multiplicam por 10 número de homens no combate a mosquito

As Forças Armadas vão ampliar sua participação nas ações de combate ao Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, da chinkungunya e do Zika vírus. Aproximadamente 220 mil militares vão atuar em cerca de 300 municípios para destruir os focos de proliferação do mosquito. A medida foi anunciada pelo ministro da Defesa, Aldo Rebelo, nesta quarta-feira (27).

“As forças armadas já exercem essa função auxiliar desde o primeiro momento do combate ao mosquito Aedes aegypti. Não é uma iniciativa isolada nem pioneira”, disse o ministro. Atualmente, pouco mais de 2,2 mil militares trabalham nessa linha de ação.

Rebelo disse que, com a ampliação do número de militares na ação, 60,4% do efetivo das Forças Armadas estará atuando no combate ao mosquito. A atuação deles vai atender tanto o critério de proporcionalidade existente em cada Estado quanto a incidência do Aedes aegypti já detectados.

O trabalho que vai ser desenvolvido pelos militares será realizado em quatro etapas. O primeiro passo será um mutirão para eliminação de possíveis focos dentro das organizações militares. Esse trabalho vai começar na próxima sexta-feira (29) e deve ser concluído no dia 4 de fevereiro.